Posted on

Manutenção Preventiva Saiba o que fazer

Ensaios nos equipamentos de uma subestação:
A manutenção preventiva em equipamentos elétricos compreende testes e a verificação da montagem elétrica do sistema.  Convém ressaltar que existem controvérsias a respeito dos valores limites recomendáveis que devem ser obtidos nos testes. Observa-se, entretanto, que o acompanhamento periódico e comparações dos resultados ao longo do tempo são muito mais significativos que um simples valor isolado.  Deste forma, é conveniente que se mantenha um histórico dos vários equipamentos
com os respectivos resultados dos testes executados.  Os seguintes ensaios são úteis para um programa básico de manutenção, tomando-se como exemplo os equipamentos de uma subestação.

Veja alguns exemplos em equipamentos elétricos o que se deve fazer e seu período de manutenção:

Transformador de corrente (TC) e de potencial (TP):
– Relação de transformação 
– Polaridade 
– Resistência ôhmica da isolação 
– Resistência ôhmica dos enrolamentos 
– Grupo de ligação
– Rigidez dielétrica do óleo isolante
– Cromatografia gasosa
Disjuntores: 
– Resistência ôhmica da isolação 
– Discordância de pólos 
– Tempo de abertura e fechamento 
– Resistência de contato 
– Rigidez dielétrica de óleo isolante 
– Comando eletro-pneumático 
– Perda de ar por operações 
– Nível de ar ou gás
Barramentos:
– Resistência de isolação
– Faseamento 
– Tensão aplicada 
– Tipo de isolação
Seccionadora:
– Resistência ôhmica de isolação 
– Resistência de contato 
– Simultaneidade 
– Servo mecanismo 
– Comando eletro-pneumático 
– Micro-interruptores
Pára-Raios, ou SPDA:
– Resistência ôhmica de isolação
– Conexão e aterramento 
Medidores Instantâneos e Registradores:
– Características 
– Levantamento de percentual de erro 
– Conexões
Relés de Proteção:
– Levantamento de características tempo-corrente, tempo/tensão ou tempo/potência
– Mínimo valor de partida (pick-up) 
– Mínimo valor de rearme (“drop-out”) 
– Restrição por harmônicos
Transformador de potência:
– Relação de transformação 
– Resistência ôhmica de isolação 
– Fator de potência do isolamento 
– Fator de potência das buchas capacitivas 
– Resistência de isolamento do TAP capacitivo 
– Testes das proteções internas 
– Análise físico-química do óleo isolante 
– Análise cromatrográfica do óleo isolante
– Comutador automático de tapes
 Observa-se que, antes de qualquer desligamento para manutenção, é de grande importância que seja efetuada a análise de pontos quentes em ela utilizando-se de um termovisor.

PERIODICIDADE DOS ENSAIOS OPERACIONAIS.

  Os ensaios operacionais podem ser divididos em três grupos ou mais grupos,
dependendo da filosofia de manutenção adotada, de maneira a facilitar a execução dos mesmos, bem como o seu controle, como, por exemplo:

a) Ensaios operacionais anuais;  
b) Ensaios operacionais qüinqüenais e,  
c) Ensaios operacionais em equipamentos.

PERIODICIDADE DE MANUTENÇÃO:

A Tabela 2 fornece uma sugestão de periodicidade de manutenção dos equipamentos de uma subestação, a título de exemplo:

Tudo bem mais quem pode exercer essas funções?

é o que veremos em: ADEQUAÇÃO DAS EQUIPES DE MANUTENÇÃO

As equipes que realizam as inspeções que se constituem nos procedimentos de manutenção preventiva de equipamentos, excetuando-se as que podem ser realizadas pelos operadores, tais como monitoramento de carga (corrente e tensão) e de temperatura, devem possuir um bom grau de familiaridade com procedimentos e equipamentos específicos. Algumas das rotinas, a exemplo de termovisão, devem ser realizadas, por equipes independentes, responsáveis pela inspeção de todo um conjunto de equipamentos. Ensaios específicos de custo elevado, devem ter sua realização adequada a um critério de “custo x beneficio”, para não terem sua eficácia e utilidade posta em dúvida.
Uma equipe mínima de manutenção deve ser composta por: 
Encarregado :  Nível Técnico ou Superior  Coordenador e responsável técnico pela execução de todos os procedimentos e rotinas que constituem a Manutenção Preventiva.
Mecânicos:    Em número de dois, Nível Técnico Responsáveis pela execução de todas os procedimentos e rotinas que envolvam predominantemente serviços de fundo, principalmente, mecânico, a exemplo de inspeções em radiadores;


Eletrotécnicos: Em número de dois, Nível Técnico. Responsáveis pela execução de todos os procedimentos e rotinas que envolvam predominantemente serviços de fundo, principalmente, eletrotécnico, a exemplo de inspeção em relés, ensaios de tensão aplicada, resistência de isolamento , rigidez dielétrica e cablagem, entre outros.

Deste modo, as funções e responsabilidade se encontram bem definidas e distribuídas.
Convém ressaltar que algum conhecimento interdisciplinar é extremamente adequado e deve ser estimulado. O suporte necessário pode ser realizado por uma equipe externa parte da própria estrutura em função de um estudo acurado de custos envolvidos. 

PRECAUÇÕES:

Antes de qualquer intervenção em equipamentos de um sistema elétrico, algumas precauções preliminares de segurança devem ser observadas, objetivando-se prevenir a integridade tanto do pessoal quanto dos equipamentos, ou seja:
  
a) Quando da realização de testes em equipamentos, estes deverão estarem bem sinalizados, delimitando-se a área de trabalho e de passagem; 
b) Deverá ser utilizado somente ferramental adequado a cada tipo de tarefa; 
c) Nunca executar sozinho, serviços próximos a circuitos energizados; 
d) Certificar-se, através de inspeção visual, de que os equipamentos liberados para a manutenção estejam totalmente desenergizados; 
e) Cuidar para que todo o pessoal envolvido nos testes estejam munidos de dos EPI’s necessários.

 Este texto apresentou os vários aspectos envolvidos na manutenção preventiva de equipamentos elétricos, exemplificando para casos específicos devido a extensão do tema. Convém ressaltar que a correta contabilização dos problemas de qualquer equipamento elétrico só possui respaldo em valores estatísticos, que são os únicos capazes de manusear conceitos como taxa de risco, probabilidade de evolução para falha, que caso adequadamente utilizados resultam em procedimentos dotados de custos mínimos. Aperfeiçoamentos tecnológicos, via de regra, quando de sua introdução podem vir a modificar alguns dos pontos acima descritos, porém, sem sombra de dúvida, qualquer novo aperfeiçoamento tecnológico merece um acompanhamento mais detalhado pois podem vir a causar problemas até o momento não detectados que dependendo do caso podem apresentar ou não relevância, fato só verificado com o passar do tempo e coleta, algumas vezes, exaustivas de dados

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s